quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Eu passarinho



Todos esses que aí estão
Atravancando meu caminho,
Eles passarão...
Eu passarinho! 
(Mário Quintana, 1978)

Conviva!


"Que a ninguém seja consentido passar por nós sem nos contagiar com sua melhor essência e que nós jamais passemos por alguém sem gravar as nossas melhores digitais em suas almas!"

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Caminhar

Caminhei: "meu cansaço nessas rotas, eu e minhas botas procurando algum lugar".

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Acredite no amor



"Nós somos fundamental e profundamente interconectados um ao outro e ao próprio planeta".

Acesse o link e assista um vídeo incrível sobre nós: 

http://www.youtube.com/watch?v=gxLfcqtr3M8&feature=player_embedded#!

sábado, 3 de dezembro de 2011

O poder do pensamento visto nos cristais da água


Pesquisa realizada pelo Dr. Massaru Emoto mostrando os efeitos da água exposta à palavras escritas, palavras expressadas, músicas e orações e depois cristalizada a uma determinada temperatura. Os resultados são surpreendentes e nos mostra que existe uma conexão psíquica com os elementos da natureza e que a nível quântico, nossos pensamentos afetam a realidade.

Se pensamentos podem fazer isto com a água imagine o que nossos pensamentos podem fazer conosco. E lembre-se: cerca de 70 % do corpo humano é formado por água.
Acesse: http://youtu.be/ScbON-y5U2k 

sábado, 26 de novembro de 2011

A palavra



"A palavra tem uma arte e uma ciência: como ciência, ela exprime o pensamento com toda a sua fidelidade e singeleza; como arte, reveste a idéia de todos os relevos, de todas as graças, e de todas as formas necessárias para fascinar o espírito". José de Alencar - Ver texto na íntegra no blog http://vmpradorj.blogspot.com/

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Onde começa a arte da paz


A arte da paz começa em você; trabalhe para conseguir com que ela permaneça ao seu lado. Todo mundo possui um espírito que pode se aperfeiçoar, um corpo que pode ser treinado, e um caminho a seguir. Você está aqui para cumprir com estas três metas, e para isso são necessárias duas coisas: manter a tranqüilidade, e praticar a Arte em cada coisa que fizer. Nenhum de nós precisa de dinheiro, poder ou status para praticar a Arte; neste exato momento você está com os seus pés no Paraíso, e deve treinar agora. Paulo Coelho 

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Hoje, um novo começo.

Foto Tumblr

"Hoje, dia 24 de novembro, teremos um Eclipse Solar parcial, tanto com a Lua, quanto com o Sol, no signo astrológico de Sagitário. Os Eclipses marcam um momento de verdade, que está muitas vezes perdido no tempo, mas cujos efeitos serão sentidos nos próximos seis meses. Com o Sol e a Lua em Sagitário, um signo do fogo, nós podemos estar certos de que o desejo para a ação e a mudança será forte. A energia deste Eclipse da Lua Nova será clara e equilibrada e irá favorecer mais ainda a nossa habilidade em sermos instrumentos seguros e puros para o amor e a luz do Divino.



A energia da Lua Nova será amplificada pelo Eclipse, o que nos permitirá a nos conectarmos mais plenamente com o nosso Espírito. Enquanto os aspectos físicos e Espirituais se aproximam mais e mais da unidade, a sua cura interior os presenteará com uma compreensão mais clara do seu caminho. Sua habilidade de se ajustar conscientemente às situações da vida, prestando atenção ao chamado de sua alma, irá se fortalecer. Manter o foco centrado no coração tornará as suas escolhas seguras e permitirá que as suas ações reflitam corajosamente as necessidades do todo. Coletivamente, estamos todos curando a nossa dualidade e enquanto vocês continuam nesta jornada sagrada, vocês irão recuperar a sua sabedoria Divina, remodelar o seu destino e re-criar este mundo.




A energia de Novembro irá exigir que vocês façam algumas perguntas difíceis a si mesmos e que enfrentem todos os medos restantes. Presenteiem-se com o espaço interior necessário para realmente se libertarem de quaisquer padrões limitantes e repressivos. Resistir à desintegração do velho, somente irá intensificar qualquer dor, solidão e vazio que vocês possam estar sentindo. Abram-se para a poderosa abundância do amor e cura Divinos e usem a bondade e a compreensão durante este mês, e vocês serão capazes de influenciar a energia para o despertar do amor, da alegria e da esperança".

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

É bobagem chorar por laços desfeitos


"É bobagem chorar por laços desfeitos, mas que continuam firmes. Alguns laços são teimosos. As vezes a gente pensa: Puxa ele se foi! Mas ele estará sempre ali...que nem alguns amores".

O curta-metragem abaixo, a nosso ver, é um belo exemplo de que a aposta de Kardec era acertada. Laços é uma produção brasileira de baixíssimo custo (R$1.500,00!) que arrematou o Project: Direct 2007, concurso de curta-metragens promovido anualmente pelo YouTube. O filme bateu centenas de concorrentes em todo o mundo com um roteiro simples, mas tocante. Confira:

domingo, 23 de outubro de 2011

Não há motivo para não fazer o que dita o coração




Em 12 de junho de 2005, Steve Jobs, então presidente-executivo da Apple Computer e da Pixar Animation Studios, fez um discurso aos formandos da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos. Confira a íntegra do discurso que ficou famoso. 


“Estou honrado por estar aqui com vocês em sua formatura por uma das melhores universidades do mundo. Eu mesmo não concluí a faculdade. Para ser franco, jamais havia estado tão perto de uma formatura, até hoje. Pretendo lhes contar três histórias sobre a minha vida, agora. Só isso. Nada demais. Apenas três histórias. 

A primeira é sobre ligar os pontos. 

Eu larguei o Reed College depois de um semestre, mas continuei assistindo a algumas aulas por mais 18 meses, antes de desistir de vez. Por que eu desisti? 

Tudo começou antes de eu nascer. Minha mãe biológica era jovem e não era casada; estava fazendo o doutorado, e decidiu que me ofereceria para adoção. Ela estava determinada a encontrar pais adotivos que tivessem educação superior, e por isso, quando nasci, as coisas estavam armadas de forma a que eu fosse adotado por um advogado e sua mulher. Mas eles terminaram por decidir que preferiam uma menina. 

Assim, meus pais, que estavam em uma lista de espera, receberam um telefonema em plena madrugada: “temos um menino inesperado aqui; vocês o querem?” Os dois responderam “claro que sim”. Minha mãe biológica descobriu mais tarde que minha mãe adotiva não tinha diploma universitário e que meu pai nem mesmo tinha diploma de segundo grau. Por isso, se recusou a assinar o documento final de adoção durante alguns meses, e só mudou de idéia quando eles prometeram que eu faria um curso superior. 

Assim, 17 anos mais tarde, foi o que fiz. Mas ingenuamente escolhi uma faculdade quase tão cara quanto Stanford, e por isso todas as economias dos meus pais, que não eram ricos, foram gastas para pagar meus estudos. Passados seis meses, eu não via valor em nada do que aprendia. Não sabia o que queria fazer da minha vida e não entendia como uma faculdade poderia me ajudar quanto a isso. E lá estava eu, gastando as economias de uma vida inteira. Por isso decidi desistir, confiando em que as coisas se ajeitariam. Admito que fiquei assustado, mas em retrospecto foi uma de minhas melhores decisões. Bastou largar o curso para que eu parasse de assistir às aulas chatas e só assistisse às que me interessavam. 

Nem tudo era romântico. Eu não era aluno, e portanto não tinha quarto; dormia no chão dos quartos dos colegas; vendia garrafas vazias de refrigerante para conseguir dinheiro; e caminhava 11 quilômetros a cada noite de domingo porque um templo Hare Krishna oferecia uma refeição gratuita. Eu adorava minha vida, então. E boa parte daquilo em que tropecei seguindo minha curiosidade e intuição se provou valioso mais tarde. Vou oferecer um exemplo. 

Na época, o Reed College talvez tivesse o melhor curso de caligrafia do país. Todos os cartazes e etiquetas do campus eram escritos em letra belíssima. Porque eu não tinha de assistir às aulas normais, decidi aprender caligrafia. Aprendi sobre tipos com e sem serifa, sobre as variações no espaço entre diferentes combinação de letras, sobre as características que definem a qualidade de uma tipografia. Era belo, histórico e sutilmente artístico de uma maneira inacessível à ciência. Fiquei fascinado. 

Mas não havia nem esperança de aplicar aquilo em minha vida. No entanto, dez anos mais tarde, quando estávamos projetando o primeiro Macintosh, me lembrei de tudo aquilo. E o projeto do Mac incluía esse aprendizado. Foi o primeiro computador com uma bela tipografia. Sem aquele curso, o Mac não teria múltiplas fontes. E, porque o Windows era só uma cópia do Mac, talvez nenhum computador viesse a oferecê-las, sem aquele curso. É claro que conectar os pontos era impossível, na minha era de faculdade. Mas em retrospecto, dez anos mais tarde, tudo ficava bem claro. 

Repito: os pontos só se conectam em retrospecto. Por isso, é preciso confiar em que estarão conectados, no futuro. É preciso confiar em algo – seu instinto, o destino, o karma. Não importa. Essa abordagem jamais me decepcionou, e mudou minha vida. 

A segunda história é sobre amor e perda. 

Tive sorte. Descobri o que amava bem cedo na vida. Woz e eu criamos a Apple na garagem dos meus pais quando eu tinha 20 anos. Trabalhávamos muito, e em dez anos a empresa tinha crescido de duas pessoas e uma garagem a quatro mil pessoas e US$ 2 bilhões. Havíamos lançado nossa melhor criação – o Macintosh – um ano antes, e eu mal completara 30 anos. 

Foi então que terminei despedido. Como alguém pode ser despedido da empresa que criou? Bem, à medida que a empresa crescia contratamos alguém supostamente muito talentoso para dirigir a Apple comigo, e por um ano as coisas foram bem. Mas nossas visões sobre o futuro começaram a divergir, e terminamos rompendo – mas o conselho ficou com ele. Por isso, aos 30 anos, eu estava desempregado. E de modo muito público. O foco de minha vida adulta havia desaparecido, e a dor foi devastadora. 

Por alguns meses, eu não sabia o que fazer. Sentia que havia desapontado a geração anterior de empresários, derrubado o bastão que havia recebido. Desculpei-me diante de pessoas como David Packard e Rob Noyce. Meu fracasso foi muito divulgado, e pensei em sair do Vale do Silício. Mas logo percebi que eu amava o que fazia. O que acontecera na Apple não mudou esse amor. Apesar da rejeição, o amor permanecia, e por isso decidi recomeçar. 

Não percebi, na época, mas ser demitido da Apple foi a melhor coisa que poderia ter acontecido. O peso do sucesso foi substituído pela leveza do recomeço. Isso me libertou para um dos mais criativos períodos de minha vida. 

Nos cinco anos seguintes, criei duas empresas, a NeXT e a Pixar, e me apaixonei por uma pessoa maravilhosa, que veio a ser minha mulher. A Pixar criou o primeiro filme animado por computador, Toy Story, e é hoje o estúdio de animação mais bem sucedido do mundo. E, estranhamente, a Apple comprou a NeXT, eu voltei à empresa e a tecnologia desenvolvida na NeXT é o cerne do atual renascimento da Apple. E eu e Laurene temos uma família maravilhosa. 

Estou certo de que nada disso teria acontecido sem a demissão. O sabor do remédio era amargo, mas creio que o paciente precisava dele. Quando a vida jogar pedras, não se deixem abalar. Estou certo de que meu amor pelo que fazia é que me manteve ativo. É preciso encontrar aquilo que vocês amam – e isso se aplica ao trabalho tanto quanto à vida afetiva. 

Seu trabalho terá parte importante em sua vida, e a única maneira de sentir satisfação completa é amar o que vocês fazem. Caso ainda não tenham encontrado, continuem procurando. Não se acomodem. Como é comum nos assuntos do coração, quando encontrarem, vocês saberão. Tudo vai melhorar, com o tempo. Continuem procurando. Não se acomodem. 

Minha terceira história é sobre morte. 

Quando eu tinha 17 anos, li uma citação que dizia algo como “se você viver cada dia como se fosse o último, um dia terá razão”. Isso me impressionou, e nos 33 anos transcorridos sempre me olho no espelho pela manhã e pergunto, se hoje fosse o último dia de minha vida, eu desejaria mesmo estar fazendo o que faço? E se a resposta for “não” por muitos dias consecutivos, é preciso mudar alguma coisa. 

Lembrar de que em breve estarei morto é a melhor ferramenta que encontrei para me ajudar a fazer as grandes escolhas da vida. Porque quase tudo – expectativas externas, orgulho, medo do fracasso – desaparece diante da morte, que só deixa aquilo que é importante. Lembrar de que você vai morrer é a melhor maneira que conheço de evitar armadilha de temer por aquilo que temos a perder. Não há motivo para não fazer o que dita o coração. 

Cerca de um ano atrás, um exame revelou que eu tinha câncer. Uma ressonância às 7h30min mostrou claramente um tumor no meu pâncreas – e eu nem sabia o que era um pâncreas. Os médicos me disseram que era uma forma de câncer quase certamente incurável, e que minha expectativa de vida era de três a seis meses. O médico me aconselhou a ir para casa e organizar meus negócios, o que é jargão médico para “prepare-se, você vai morrer”. 

Significa tentar dizer aos seus filhos em alguns meses tudo que você imaginava que teria anos para lhes ensinar. Significa garantir que tudo esteja organizado para que sua família sofra o mínimo possível. Significa se despedir. 

Eu passei o dia todo vivendo com aquele diagnóstico. Na mesma noite, uma biópsia permitiu a retirada de algumas células do tumor. Eu estava anestesiado, mas minha mulher, que estava lá, contou que quando os médicos viram as células ao microscópio começaram a chorar, porque se tratava de uma forma muito rara de câncer pancreático, tratável por cirurgia. Fiz a cirurgia, e agora estou bem. 

Nunca havia chegado tão perto da morte, e espero que mais algumas décadas passem sem que a situação se repita. Tendo vivido a situação, posso lhes dizer o que direi com um pouco mais de certeza do que quando a morte era um conceito útil mas puramente intelectual. 

Ninguém quer morrer. Mesmo as pessoas que desejam ir para o céu prefeririam não morrer para fazê-lo. Mas a morte é o destino comum a todos. Ninguém conseguiu escapar a ela. E é certo que seja assim, porque a morte talvez seja a maior invenção da vida. É o agente de mudanças da vida. Remove o velho e abre caminho para o novo. Hoje, vocês são o novo, mas com o tempo envelhecerão e serão removidos. Não quero ser dramático, mas é uma verdade. 

O tempo de que vocês dispõem é limitado, e por isso não deveriam desperdiçá-lo vivendo a vida de outra pessoa. Não se deixem aprisionar por dogmas – isso significa viver sob os ditames do pensamento alheio. Não permitam que o ruído das outras vozes supere o sussurro de sua voz interior. E, acima de tudo, tenham a coragem de seguir seu coração e suas intuições, porque eles de alguma maneira já sabem o que vocês realmente desejam se tornar. Tudo mais é secundário. 

Quando eu era jovem, havia uma publicação maravilhosa chamada The Whole Earth Catalog, uma das bíblias de minha geração. Foi criada por um sujeito chamado Stewart Brand, não longe daqui, em Menlo Park, e ele deu vida ao livro com um toque de poesia. 

Era o final dos anos 60, antes dos computadores pessoais e da editoração eletrônica, e por isso a produção era toda feita com máquinas de escrever, Polaroids e tesouras. Era como um Google em papel, 35 anos antes do Google – um projeto idealista e repleto de ferramentas e idéias magníficas. 

Stewart e sua equipe publicaram diversas edições do The Whole Earth Catalog, e quando a idéia havia esgotado suas possibilidades, lançaram uma edição final. Estávamos na metade dos anos 70, e eu tinha a idade de vocês. Na quarta capa da edição final, havia uma foto de uma estrada rural em uma manhã, o tipo de estrada em que alguém gostaria de pegar carona. 

Abaixo da foto, estava escrito “Permaneçam famintos. Permaneçam tolos”. Era a mensagem de despedida deles. Permaneçam famintos. Permaneçam tolos. Foi o que eu sempre desejei para mim mesmo. E é o que desejo a vocês em sua formatura e em seu novo começo. 

Mantenham-se famintos. Mantenham-se tolos. 

Muito obrigado a todos.” 

Fonte: Site da Universidade de Stanford

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Outubro Rosa na capital

O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete à cor do laço rosa que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, empresas e entidades. Este movimento começou nos Estados Unidos. A popularidade do Outubro Rosa alcançou o mundo de forma bonita, elegante e feminina, motivando e unindo diversos povos entorno de tão nobre causa. Isso faz que a iluminação em rosa assuma importante papel, pois tornou-se uma leitura visual, compreendida em qualquer lugar no mundo.

domingo, 2 de outubro de 2011

Sol de primavera





Halo solar: fenômeno óptico provocado pela refração da luz em cristais de gelo suspensos na atmosfera, formando um círculo ao redor do sol. 

terça-feira, 27 de setembro de 2011

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Aventureira

Se você já pensou sobre as coincidências da vida, sobre os encontros mágicos ou sobre o poder da energia positiva já compreendeu a visão da sua trajetória pessoal. Cada pessoa tem o seu próprio destino, mas as pistas para chegar até ele são universais. (De: A Profecia Celestina - foto montanhas de Minas)

Viva tudo que há pra viver

A vida é um desdobramento espiritual, pessoal e fascinante. Deixe expandir a positividade e passe esta energia adiante.

terça-feira, 20 de setembro de 2011

De alma


“Existem afinidades, não existe uma metade para se juntar. Nada dura para sempre, as pessoas se separam, se reencontram, cada uma tem o seu caminho, mas quando existe o contato de alma para alma, pode haver uma ligação que seja eterna”. Zibia Gasparetto

terça-feira, 13 de setembro de 2011

...



"CONSTRUA UM DIA POSITIVO, UM DIA NOVO, PARA QUE UM NOVO SER BROTE DA VELHA TERRA EM QUE JÁ VIVEU".

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Espetáculo “Sky Mirage II”





Amo o dia e sempre busquei o sol. Semana passada, acessei a informação sobre o espetáculo circense da China, que conta a história de amor entre a fênix e o sol. “Para alcançar a estrela que ilumina a Terra, a fênix estará sempre em busca da luminosidade para que o encontro os torne um único e harmonioso elemento”. Fiquei fascinada! O jeito foi conferir o espetáculo: impressionante e inesquecível. A perfeição nos movimentos de cada artista, fez-me pensar o quanto somos livres para alcançar a nossa luz. Essa energia potencial, que surge dentro de cada um, pode superar todos os limites do corpo, da alma. Penso que para isso, é preciso colocar atenção no agora...não se preocupar com o resultado da ação. Basta dar atenção à ação em si que o resultado surgirá, espontaneamente. A presença é a chave da liberdade e só é possível ser livre agora. No picadeiro do circo da China, a complexidade das acrobacias unida à delicadeza dos movimentos transformava o espetáculo em algo mágico. Efeito visual e música completavam o show deixando-me em êxtase. Volto ao pensamento onde alcançar tamanha perfeição requer mesmo viver o agora. E pergunto: Existe alegria, naturalidade ou leveza no que está fazendo agora? E para refletir, faço uso das palavras de um sábio. “A ausência de alegria, naturalidade ou leveza no que estamos fazendo não significa, necessariamente, que precisamos mudar o que estamos fazendo. Talvez basta mudarmos o como. Ao respeitarmos o momento presente, toda a luta e a infelicidade se dissolvem e a vida começa a fluir com alegria e naturalidade. Ao agirmos com a consciência do momento presente, tudo o que fizermos virá com um sentido de qualidade, cuidado e amor, mesmo a mais simples ação”. E, assim, a fênix alcançou o sol...tornaram-se um. A luz brilhou ainda mais forte. (Fotos divulgação)

sábado, 27 de agosto de 2011

A religião do amor

"Deixem que existam as diferentes fés, deixem-nas florescer e deixem a glória de Deus ser cantada em todas as línguas e em várias melodias. Este deve ser o ideal. Respeitem as diferenças entre as fés e reconheçam-nas como válidas, contando que não extingam a chama da Unidade." "Só há uma religião, a religião do amor." (Baba)

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Pecados capitais


Trabalhar no Congresso Nacional tem suas vantagens, claro! O salário não é ruim e dá um status interessante. Ao contrário do que muita gente pensa, como eu pensava, é um local de muito, mas muito trabalho. Pelo menos eu e meus colegas “ralamos” e ajudamos o nosso parlamentar, raro, (trabalhador, energético e honesto) a garantir conquistas extraordinárias e melhorar a vida de milhares de pessoas. Isso faz valer a pena!

Mas, viver o dia a dia na Esplanada dos Ministérios pode ser, no mínimo, curioso. Impossível não parar para pensar: por que será que os homens (no sentido amplo) querem tanto o poder, grana? Será que eles pensam que vão conseguir satisfazer todos os seus “próprios” desejos, mergulhados num verdadeiro poço de vaidade, avareza, ira, preguiça, luxúria, inveja e gula? Tudo bem que somos de “carne e osso”, imperfeitos, mas que graça tem viver disso?

Vejo, por aqui, muitos homens que podem comprar e ter, quase, tudo. Quase, pois lhes faltam o que, para mim, é essencial como saúde, paz, amor, espiritualidade, alegria. Falta o que existe de melhor na vida: tempo para experimentar momentos simples e felizes.

Sem hipocrisia! Ter poder e grana deve ser excelente em vários aspectos deste mundo material. Mas, bom mesmo é ser dono da própria vida. É voltar a ser criança quando quiser. É doar sem se preocupar com o que vai receber. É admirar despretensiosamente. É se encantar. É “ter” uma vida livre, apaixonante, onde tudo dá certo. A minha vida é assim! E a sua? Então, viva as diferenças!

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Frases de mulheres notáveis



 
A parte mais linda da infância é a infância toda. (Adélia Prado)

O mundo exige resultados. Não conte aos outros as tuas dores do parto. Mostra o teu filho. ( Indira Gandhi)

Não ame pela beleza, pois um dia ela acaba. Não ame por admiração, pois um dia você se decepciona... Ame apenas, pois o tempo nunca pode acabar com um amor sem explicação. ( Madre Tereza)

sábado, 13 de agosto de 2011

Prosperidade

A energia mãe
Sou devota de Nossa Senhora da Medalha Milagrosa. É a ela que dedico a minha fé: entrego, confio, aceito e agradeço. Ela abre caminhos, protege, cuida, serena e amansa meu coração, conduz, cura. No nosso planeta, com sua diversidade religiosa, existem deusas que representam o que de melhor queremos para nossa vida. No hinduismo, por exemplo, gosto particularmente da energia que vem da deusa Lakshmi. Ela é o principal símbolo da potência feminina, sendo reconhecida por sua eterna juventude e formosura. È a personificação da beleza, fartura, riqueza e generosidade. Ela encerra a totalidade do conhecimento, tanto material quanto espiritual. Ela nos concede a vitória sobre obstáculos e problemas. Representa o sucesso. A energia de Lakshimi nos presenteia com tudo isso, no sentido mais sublime: o da espiritualidade. É a prosperidade do amor, da paz, da alegria.

Magnetismo pessoal


"Meu triunfo mais valioso é a minha personalidade e a maneira pela qual dou expressão a ela. Nunca ninguém conseguiu altos feitos sem ter de enfrentar a adversidade, de corrigir reações mentais e emocionais negativas aos acontecimentos da vida. A gente realiza através da luta. É este o caminho do progresso".

Vida cigana


Desde criança gosto de novidade. Conhecer coisas, pessoas, lugares novos. Aprender com as diferenças. Hoje, reconheço que o que gosto mesmo é das coisas simples e belas. Faz parte da minha essência. Um cheiro bom, um som em harmonia, a natureza num momento que brinda meus olhos. Talvez seja privilegiada, por estar atenta a esses momentos mágicos que a vida doa. Afinal, entrar no meu carro, toda semana, e percorrer essas estradas de inverno, verão, outono, sol, chuva, dia, noite, nuvens, árvores, flores, lua, estrelas...e tudo de lindo que existe neste Planeta é uma satisfação. Dias atrás, tive uma grata surpresa. Tenho uma orquídea, companheira há anos, que já se mudou para tantas casas comigo. Há algum tempo ela não floria...talvez porque há momentos em que esses seres encantados da natureza expressam melhor as emoções da vida. E foi, para anunciar mais uma graça na minha vida que ela floriu...foi como ganhar um beijo de poesia!

quarta-feira, 27 de julho de 2011

O quê que a Bahia tem?

 O encontro com a sua liberdade...

...com a sua luz (a lua)...

...com o aconchego da sua paz...

...tem, o que há de melhor em você. 
Como qualquer lugar no universo você PODE estar inteiro ... a felicidade não está na chegada, está no caminho.
(Fotos enviadas por Dani LS)

Yoga


Permita-se alguns momentos de silêncio todos os dias.
Conecte-se com seu coração espiritual.
Pratique o seu Sankalpa.
Pergunte-se: Quem sou eu?
Qual a minha verdadeira essência?
Respire com totalidade.
Amplie suas possibilidades.
Acredite, e saiba que você pode.
Encontre a sua PAZ.
Sorria para a sua realidade.
Agradeça pelo hoje.
Tenha presença.
Entoe seus mantras favoritos.
Se possível em voz alta.
Pratique YOGA na vida e não somente na sua "aula".
Faça a sua diferença no mundo.
(Msg e imagem enviadas por Mario Lúcio - Ayurvida)

quarta-feira, 20 de julho de 2011

A musicalidade

"A música é celeste, de natureza divina e de tal beleza que encanta a alma e a eleva acima da sua condição" (Aristóteles).

quarta-feira, 13 de julho de 2011

De que lado você está?

Se você não faz parte da solução, faz parte do problema.

Cuidar

"O espírito cresce com o que recebe. O coração com o que dá".

"Um coração feliz é o resultado inevitável de um coração ardente de amor".

Nem as mais belas palavras podem expressar tanto amor...

"Uma infância amorosa e ordenada é o chão pelo qual caminhamos até a velhice".

"O mais importante para toda criança é ela ser importante".

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Na janela

"A única revolução possível é dentro de nós" (Gandhi)

Ubuntu (partilha, cuidado) = "Sou quem sou, porque somos todos nós!"

Ser criança
Sonhar com a vida
Buscar o melhor
Nascer pro tempo
Crescer pro mundo
Sorrir
Abençoar...tudo

Alinhamento e perfeito equilíbrio

O eclipse lunar (noite de 15 de junho de 2011) revelou grandes energias. Foi começo-luz/fim-escuridão/recomeço-luz. Renascimento... com momentos de extraordinária “visão”. Tempo para libertar do passado e dar lugar ao futuro que começou. (DF)